O Líder Espiritual

Costumamos dizer que todo aquele que se encontra na sagrada jornada mediúnica de um templo de Umbanda, independentemente da tarefa para a qual for designado, pode ser considerado um dirigente. Na verdade, todos somos observados e, por que não acrescentar, testados diuturnamente na caminhada, o que nos coloca como grandes responsáveis pelos desdobramentos da missão. Por outro lado, a hierarquia é algo inerente aos nossos cultos Afro, e é quando surge então a figura do “Pai no Santo”, do dirigente Espiritual, do babalorixá, da Yalorixá, que nada mais são do que os líderes das comunidades de terreiros. Mas quem é verdadeiramente essa figura? Qual o seu verdadeiro papel junto aos seus irmãos no santo? O que espera do líder a alta espiritualidade? Líder é aquele que se destaca. Aquele cujas ações, por corajosas ou extraordinárias, merece a atenção dos demais homens.

Fonte: Site Xangô Menino Araruama

Líder é aquele que, em meio ao caos, se mantém firme e acena com a bandeira da esperança. É aquele que enxerga as soluções muito além dos desafios do dia a dia. Pode ser um artista, um cientista, um homem de negócios, um anônimo. Por vezes, são governantes que se destacam, levando-nos não somente a aplaudi-los, mas a crer que o mundo melhor está se concretizando na Terra. O verdadeiro líder é aquele que não espera pelos outros e não escolhe as tarefas, mas realiza tudo o que está ao seu alcance. O líder seguro é naturalmente respeitado pela sua autoridade intelecto-moral e não pela prepotência que geralmente afasta os companheiros de jornada e espalha o temor, ao invés de despertar o respeito. É o líder quem incentiva, que desperta a motivação e o entusiasmo e que está sempre disposto a ouvir e a corrigir o passo, se for necessário. Liderar com sabedoria é saber conquistar a amizade dos seus liderados, criando um clima de confiança mútua e companheirismo. Uma liderança que compartilha, que divide, que caminha lado a lado, diferente do autoritarismo, que centraliza o poder e inibe a ação e a iniciativa dos seus liderados. O modelo de líder que estabelece regras para os outros e que não as cumpre, já está ultrapassado pelo novo modelo de liderança compartilhada. Para ser um bom líder é preciso estar disposto a seguir à frente para abrir o caminho, para dar o exemplo, para orientar e conduzir sua corrente mediúnica. Hoje não há mais lugar para aquele modelo de líder que ficava no alto do seu trono, dando ordens e exigindo que fossem cumpridas.

O que realmente funciona é o tipo de líder que serve mais, que abre caminhos, que descobre meios de superar obstáculos junto aos seus liderados. Assim, se você está investido na função de liderar uma comunidade religiosa, esteja ela em que nível estiver, lembre-se sempre do exemplo de Jesus, o maior líder que este planeta já viu. Ele foi o exemplo máximo de liderança. Seus ensinos e orientações ultrapassaram as fronteiras de sua terra natal e influenciaram o mundo todo. Mesmo sem ter sido conhecido pessoalmente pelos cristãos da atualidade, continua servindo de modelo e guia para boa parte da humanidade. Finalmente, você está no lugar correto, com as pessoas certas e na melhor situação que as leis divinas lhe permitem estar.

Fonte Pixabay

Se hoje você ocupa a posição de líder é porque precisa aprender a liderar com sabedoria para que possa crescer e promover o crescimento dos que lhe seguem os exemplos, que valem mais do que palavras. Da mesma forma que se você está sob a coordenação de alguém, é porque precisa aprender a aceitar orientações com o firme propósito de colaborar, dando o melhor de si, pois a espiritualidade nos diz que “quem não sabe obedecer, jamais poderá mandar.” Tanto uma posição quanto a outra são excelentes oportunidades de crescimento e regeneração que Deus oferece a quem tem o desejo sincero de elevar-se na escala evolutiva, rumo à felicidade tão sonhada. Lembremos que mais importante do que ter cargos no mundo, é honrar a nossa consciência. É sabermos que a autoridade na Terra é temporal e que, acima dos homens, reina a Lei de Deus, imutável e essa Lei prescreve o amor.

Quem está investido da responsabilidade de conduzir outras pessoas é alguém que tem a tarefa de oferecer o melhor de si, de ser uma lição viva, mas uma boa lição viva, capaz de conduzir ao bem e à liberdade. Este é o verdadeiro líder espiritual.