Como as religiões influenciam nosso comportamento

Você já pensou em como a religião influencia o nosso comportamento? Tudo que deixamos de fazer por aquilo que não é aceito dentro da sua doutrina religiosa? Até que ponto a sua religião afeta no seu dia a dia?

Todo indivíduo vive em uma coletividade, cada um está inserido em um ou mais grupos de diferentes setores de uma sociedade; sua família é um deles, seu local de trabalho outro, seu ciclo de amigos e uma série de outros tipos de nichos de convivência. Para todos eles são aplicados normas comportamentais, diretas ou indiretamente. Essas normas dizem respeito a como você interage e se comporta diante daquele nicho em que está inserido. Nos grupos religiosos, as normas, normalmente, são seguidas através dos livros, como a Bíblia, os Evangelhos, o Alcorão e até mesmo regulamentos instituídos pela própria Instituição Religiosa. Além de determinar as regras de conduta dentro de cada Templo, tais normas também descrevem a conduta social que cada indivíduo deve promover para o bom convívio naquele ou mais grupos. Algumas Instituições chegam a punir os membros que descumprem as suas leis.

Você já se pegou pensando ou já lhe perguntaram a razão de alguma atitude e comportamento que você já teve sem se dar conta de o porquê estava, de fato, agindo daquela forma? A explicação pode estar na sua própria crença, aquilo que muitas vezes você não sabe, mas o faz por estar escrito que deveria fazer ou, mais popularmente, se tratar de um comportamento supersticioso. As superstições, por sua vez, já são parte da nossa cultura e muitas delas trazidas pelas próprias religiões.

As leis aplicadas pelas religiões são capazes de classificar o comportamento de cada indivíduo, como bom ou ruim, moral ou imoral, entre outras formas de julgamento de acordo com suas normas – que, em tese, se tratando de comportamento social são bastante semelhantes, alterando apenas a sua prática de doutrinação.

Quando o individuo segue alguma norma religiosa ele tende a se esforçar um pouco mais a fim de cumprir as boas práticas de convívio dentro do seu grupo e, consequentemente, estende este comportamento para seus outros grupos sociais.

Expandindo um pouco mais o nosso assunto, além do comportamento social, algumas religiões também possuem forte influência nas nossas privações, como por exemplo, os dias sagrados, os jejuns, algumas práticas voltadas para rituais, sobretudo nas Casas de matriz afro. Podemos citar ainda os estímulos que recebemos para controle de nossas emoções.

As religiões podem estabelecer diferentes leis morais e éticas que, por sua vez, ditam diferentes padrões de comportamento, como a crença na continuidade da alma, enquanto a religião católica prega a ressureição depois do juízo final, a religião espírita defende a continuidade através da reencarnação.

Contudo, podemos afirmar que as religiões exercem diretamente um alto controle sobre o comportamento e valores éticos e morais de cada indivíduo inserido em um determinado grupo religioso. No entanto, é necessário que saibamos identificar a religião que mais está em conformidade com a nossa essência, garantindo assim, uma sintonia no grupo ao qual está inserido, onde suas ações não serão apenas permeadas por exigências vagas e “supersticiosas”